Limites Territorias Demarcados por Deus   Leave a comment

Extremismo dos dois lados do problema vão continuar impedindo soluções definitivas. São numerosos os militantes palestinos que jamais aceitarão a existencia do Estado de Israel, detro de qualquer fronteira entre o Mediterrâneo e o Rio Jordão. Continuarão lutando pela destruição completa do Estado judeu. Alegam que suas familias ocupam aquelas terras vários séculos e não poderiam ter sido expulsas para que judeus lá se estabelecessem.  Seguirão lutando contra a existência de Israel, com ou sem suicidios.

Extremistas judeus também vão longe na racionalização de seus atos: alegam que, conforme sua  interpretação do Antigotestamento, aquelas terras foram presentes de Deus a seu povo e (Gênesis 28: 13 e 14  e ou 12: 1 ,2 e 3 mais Gênesis 13: 14,15,16,17) não importa quem estivesse ali nos últimos séculos, os limites territorias demarcados por Deus lhes justifica a retomada da posse. Se não o fizerem, estaram desobedecendo a Deus. Esse argumento teológico é usado pelos colonos israelenses nos territórios ocupados como se estivessem se referindo a um documento imobiliário da prefeitura local. Foi um desses extremistas israelenses de direita, e não um palestino radical, quem matou a tiros o primeiro-ministro Yithak Rabin em 1995 , lider de um plano de paz e convivencia entre as duas comunidades. O assassino se declarou indiguinado com o que considerava concessões inaceitáveis de Rabin aos árabes.Primeiro ministro Isrelense Yitzhak Rabin

Yitzhak Rabin

http://pt.wikipedia.org/wiki/Yitzhak_Rabin

 

Se alguém sugere que a saida e a retirada completa de Israel dos territorios palestinos ocupados  em 1967, averá quem lembre ter sido exatamente essa a proposta oferecida a Yasser Arafat pelo governo de Ehud barak, em Camp David, há quase dez anos. Com o abafo quente do Presidente Bill Clinton no pescoço dos dois  lideres para que aceitassem esse acordo enquanto ele ainda estivesse na Casa Branca, o lider palestino Yasser Arafat recusou. Teve medo da reação das bases.

Um dos obstáculos maiores, segundo Arafat, era o direito de retorno dos palestinos que estão refugiados em outros países. São mais de quatro milhões, muitos deles reivindicando terras de onde sairam há meio séculos e que hoje fazem parte de Israel. O governo Barak negou esse direito e é improvável que qualquer líder israelense aceite o que considera suicidio demográfico. Os palestinos denunciam a contradição entre um Estado que dá a qualquer judeu, em qualquer parte do mundo, o direito de imigrar para Israel e, com ajuda oficial, ali se estabelecer para sempre. Mas nega o mesmo direito aos palestinos.

http://www.google.com.br/#hl=pt-BR&biw=1280&bih=933&q=ehud+barack+fotos&aq=f&aqi=&aql=&oq=ehud+barack+fotos&gs_rfai=&fp=3035c65b99df84ca

Solução não há. Existem paliativos que podem permitir uma convivéncia menos sangrenta, baseada em concessões dos dois lados. Mas têm de ser impostas à força por alguém de fora. Como foi feito nos acordos de Daytton, que desagradaram igualmente a bósnios, servios e croatas, mas acabaram com a Guerra na Bósnia, sob pessão dos EUA e ameaças de bombardeios aéreos.

No momento, para o conflito entre palestinos e israelenses, esse alguem de fora só pode ser o governo americano. É o unico em condições de reunir os dois lados e obrigá-los a aceitar um acordo que não vai agradar por completo às partes, um objetivo imposível. Fazê-las cumprir o acertado exigirá forte pressão militar americana, com mandato para passar fogo em quem não cumprir o acordo o que  certamente vai incluir extremistas dos dois lados.

http://www.google.com.br/#hl=pt-BR&biw=1280&bih=933&q=Acordos+de+deyton&aq=f&aqi=&aql=&oq=&gs_rfai=&fp=3035c65b99df84ca

Que possibilidade existe de que o governo de Obama leve à frente um acordo desses? Nenhuma.

 O governo Bush derrubou dois governos loucos do poder; afegão e iraquiano.

Da bíblia aos eventos da véspera, a referência á História serve de pretexto para bloquear qualquer tentativa de paz. Tudo depende de que fato histórico se escolhe para a discurssão. Tempos biblicos? A criação do Estado de Israel em 1948? O ataque imediato dos paises árabes visinhos contra o novo pais? as fronteiras que se definiram após este confrito ou as que surgiram após a Guerra dos Seis Dias em 1967? E a guerra de 1973?  E a provocação de Ariel Sharon ao visitaron  a esplanada da mesquita? E Moisés, e Maomé, e Jesus Cristo, e Abraão?

por:Silio boccanera

Minha conclusão:

Deus deu a terra para o povo  de Israel de forma incondicional. Mais eles iriam continuar  nas terras somente por sua fidelidade ao Senhor. Eles desobedeseram o Que fizeram com Deus  multiplas vezes  e apesar de longanimidade enorme, finalmente o Senhor concretizou sua palavra: Assiria e Babilonia levaram Israel cativa (Deuteronônimo 28: 1 a 68  e Levitico 26). Depois do exilio, porem, Deus prometeu fazer regressar  para terra prometida (Deuteronônimio 30: 5) Desde o retorno de Babilonia Isralel então viveu sempre sob dominio de algum Imperio. Vàrios  profetas, enviou Deus exortando e  aquela nação. Eis aqui os mais conhecidos: Jeremias , Isaias, Ezequiel,Daniel e por ultimo Jesus Cristo, que praticamente decretou: ” Eis que vossa casa ficará deserta… Eu lhes ganranto que não ficará aqui pedra sobre pedra; serão todas derrubadas” Mateus 23:27 a 39), e assim aconteceu. No ano 70 d. C. o general Tito com o exército Romano conquistou e aniquilou a cidade de Jerusalém. Séculos antes do Senhor Jesus ter falo estes acontecimentos, já declarava o livro do profeta Daniel ( ver Daniel 9: 22 a 27);

Estava lá, nos livros de Moisés as profecias, os fatos ditos por Jesus a os judeus cegos de sua época e até hoje, continua escrito. Deus jà cumpriu a promessa de dar aterra aos descendentes de Abrão  e para deixar o povo voltar após o cativeiro. Em Cristo  se encontra a perfeição da herança  perpetua; O uso especial de Israel fisico cessou, e o povo de Deus se tornou um corpo unido, composto tanto de judeus como de gregos( ver Isaias 19: 16 a 25  e  19:25). O Israel de Deus incluem todos os servos dele independente de sua raça ou pais ( ver Gálatas 6:15 e 16,  Romanos 4: 11 a 17, Romanos 10: 12 e 13, Colossenses 3: 11 a 14). Não aceitaram o Messias, sem Jesus Cristo ( à perfeição) nem judeu nem gentio, hoje não tenhe direito a nada. Sem perfeição não há aliança, sem aliança não há herança perpétua.  

MAIS TUDO PODEMOS QUANDO RECONHECEMOS O SENHORIO DE JESUS CRISTO.

                mundomartins@  Everybody wants to rule the world

Publicado 25 de outubro de 2010 por mundomartins4766 em Notícias e política

Olá, mundo!   1 comment

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!

Publicado 3 de outubro de 2010 por mundomartins4766 em Não categorizado

Convivência Impossível   Leave a comment

                                                
      Vária gerações terão de passar desde os tempos de Abraâo e suas mulheres ( Sara e sua escrava Hagar) até que atolerância permita uma convivência harmoniosa entre israelenses e palestinos. Quanto mais se prolonga a crise, mais se impõe a conclusão de que a solução não é so dificil; é imposivel.
     Deixando de lado os adultos, de ambus os lados com sua ira acumulada de mais de meio século desde 1948 quando o estado judeu foi criado pela ONU, considere-se as crianças ou adolecentes que estão vivendo a crise atual. Sem ao menos levar em conta os bombardeiros e os ataques ás residências, o que se pode esperar de um menino palestino que ver sua casa  ser derrubada por tratores israelenses, sob o pretexto de que um membro da familia, talvez um irmão mais velho, é militante terrorista?
                    
     Essa prática israelense existe a varios anos , é aplicada com uma rotina quase burocratica. Só que joga a familia palestina inteira na rua. As vitimas incluem pais, avós e outros parentes, além dos irmãos e irmãs que são levados presos. O ódio que essas crianças vão nutrir pelos israelenses durante o resto de suas vidas vai garantir renovadas levas de recrutas para a militãncia terrorista e as missões suicidas contra o inimigo.
     Há poucos anos, a televisão britânica BBC mostrou entrevista com Alaa Abu Shamala, uma menina palestina de oito anos, que pregou na parede de sua casa um bilhete á mãe, dizendo que, quando crecer um pouco mais, pretende ser mártir, suicidando-se com uma bomba que mate israelenses. Como Alaa, há centenas de meninas e meninos se preparando para o gesto extremo de vingança.
               
     Do lado israelense, que tolerância se espera de parentes de adolecentes judeus que sairam de casa para comer uma pizzria de Jerusalém ou Tel Aviv e acabaram mortos em ataques camicases de paletinos? Foram vitimas não de ações de guerrilheiras contra alvos militares, como realizavam, por exmplo, os militantes suicidas do Hezbollah no sul do libano, ao atacar tropas e tanques israelenses. Agiam diferentes do atual terror desesperado contra civis indefeos.
    Como vam reagir esses jovens sobreviventes ao servir nas forças armadas de Israel e entrarem em territórios palestinos com fuzis e tanques? Ou quando estiverem de escolher pelo voto entre um lider politico que apoe conciliação, como o fizeram Itzhak Rabin ou Ehud Barak, e outro que promove vingança e linha-dura, como Ariel Sharon ou Benjamin Netanyahu?
                     
 
 
           obs. já foi provado ciéntificamente que o código genetico ( DNA) de judeus e palestinos mostra indubitavelmente que são irmãos.
    veja o que diz o professor e psicanalista de todos os tempos e Salvador Jesus Cristo, foi e é rejeitado por boa parte dos seus criados inclusive os judeus: "quem não sabe juntar espalha"
   ( Ganancia, anda de mãos dadas com egoismo e a falcidade de mãos dadas com a hipocrisia. Como pode aver harmonia? )
                              Continuamos aviver tempos mediocles
  Autor: jornalista Silio Bocanera
 
 
 
 
 
 
 

Publicado 28 de agosto de 2010 por mundomartins4766 em Não categorizado

Falando sobre YouTube – U2 – ’40’ – Brazil 2006   Leave a comment

 

Citação Podemos ver como a musica tenhe um poder manipulador sobre as pessoas tanto para o bem quanto para o mal; A banda U2 recita em musica o salmo 40 no show aqui no brasil e todos cantam maravilhosamente como um verdadeiro coral gospel. È de fundamental importancia em tempos mediocles em que estamos, que as canções falem em suas letras de Esperança e Fé pois é disto que o planeta está empobrecido e continuará porque lhes faltam o que menos buscam e o que menos cantam, demodo que o vazio naturalmente permanece por que este espaço é de Deus é de sua palavra.

            por esta canção valeu U2 

YouTube – U2 – ’40’ – Brazil 2006
    

Publicado 13 de julho de 2010 por mundomartins4766 em Não categorizado

Jesus Cristo, INDUBITAVELMENTE DEIXOU ESTIGMA NA HISTORIA INEGAVELMENTE   Leave a comment

                                                      
 
monte da caveira lugar da crucificação TAMBEM CHAMADO GOLGOTA
 
  
 
  
 
 
 
 
 

 
JESUS CRISTO, Um mito ou um homem da Historia?
  Jesus Cristo, um mito ou um homem da História?
       

 

Introdução

INTRUDUÇÃO


 Nenhum personagem fora tanto escrutinado como o homem de Nazaré; cientistas, arqueólogos, paleontólogos, antropólogos, historiadores, sociólogos, psicólogos, teólogos, ateus, agnóstico… Enfim, todos         querem comentar sobre esse personagem chamado Jesus! Uns para        abordar sua importância sociológica e o teor de suas mensagens, outros    para absorver  sua teologia e ensinamentos. Entretanto, os que mais chamam atenção e batem recordes de vendas de livros e revistas, são   aqueles que querem desmistificar  o homem Jesus ou aqueles que       arvoram a não existência do Cristo. 
A mídia atual sabe que, apesar da    morte de Deus ter sido  anunciada pelos iluministas, o mundo está      cada vez mais voltado à religiosidade e ao espiritualismo, por isso as abordagens sobre o tema se tornam cada vez  mais acirradas e controvertidas.                                            

 

 

 

Um desses autores que tem batido recordes de vendas é a escritora K. Armstrong, ela afirma o seguinte sobre a existência de Jesus:

“Sabemos muito pouco sobre Jesus. O primeiro relato mais abrangente  sobre sua vida aparece no evangelho segundo Marcos, que só foi escrito    por volta do ano 70, cerca de 40 anos depois de sua morte. Aquela altura,    os fatos históricos achavam-se misturados a elementos míticos… É esse significado, basicamente, que o evangelista nos apresenta, e não uma descrição direta e confiável”

(08).

Nesse escopo, no qual procurarei mostrar a historicidade de Cristo,     utilizarei fontes não só de autores cristãos, mas principalmente de         autores seculares e de credibilidade, além de documentos reconhecidos como  provas comprobatórias disponíveis em grandes bibliotecas.

O Que Seria Um Personagem da História?

No sentido mais simples da palavra, um indivíduo é um personagem da história quando:


1. esse personagem realmente existiu;

 

2. se sabe sobre ele de uma maneira segura um certo número de informações;

3. eventualmente, que lhe podem ser atribuídos certos escritos ou      palavras.

                                      pergaminhos do mar morto
 

A Problemática da Fonte

O escritor secular Mário Curtis Giordani comenta o seguinte sobre essa problemática: Sobre as origens do Cristianismo, de modo especial sobre        a vida de Cristo e sua doutrina, as fontes, por excelência, são, primeiramente, os livros do Novo Testamento, entre os quais podemos pôr em relevo as epístolas paulinas e os quatro evangelhos. Para um conhecimento mais aprofundado da mentalidade religiosa dominante na Palestina nos tempo de Cristo, constituem fontes de primeira ordem os famosos manuscritos descobertos a partir de 1947 nas plagas inóspitas    do Mar Morto. Um terceira classe de fontes referentes às origens cristãs, encontramo-las em escritos de autores pagãos como Plínio – o Jovem,  Tácito, Seutönio e na obra do escritor judeu Flávio Josefo… Quanto aos livros do Novo Testamento, em geral, e aos Evangelhos, em particular, ao focalizarmo-los como fontes históricas, surge logo a interrogação: até  que ponto tais escritos, impregnados de espírito sobrenatural, contendo não poucos relatos miraculosos, podem ser considerados como fontes fidedignas para uma reconstituição científica do passado? Ante essa interrogação, vêm-nos à mente as palavras do conhecido historiador Francês Joseph Calmette: . O historiador não pode, portanto nutrir idéia preconcebida contra qualquer espécie de fonte, antes que a mesma passe pelo crivo da mais rigorosa crítica científica. Com relação aos  livros do Novo Testamento e, muito particularmente, aos quatro evangelhos, devemos observar que jamais documento algum sofreu tão cerrado exame  da crítica histórica. Não há  uma palavra dos Evangelhos   que não tenha    sido objeto de cuidadosa consideração. A autenticidade, a veracidade e a integridade substancial desses         escritos têm sido sobejamente provadas… Encontramos, é verdade,     algumas aparentes divergências em certas narrações  contidas nos Evangelhos.

Tais divergências, porém, são apenas de detalhe e para as mesmas sobram explicações dos exegetas. Do ponto de vista da crítica histórica, convém frisar que essas divergências não são, nem de longe, suficientes para infirmarem o valor do depoimento dos evangelistas…

Se aplicássemos a muitas outras fontes históricas os mesmos rigores de que a crítica racionalista e até mesmo a cristã usaram no estudo dos evangelhos, um bom número de acontecimentos do passado sobre cuja autenticidade não levantamos dúvida passaria          para o terreno das lendas. Ainda é W. Durant que observa: …                                                  (1, pg. 308, 309).

http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.multivita.com.br/contido/pics/marmorto01.jpg&imgrefurl=http://www.multivita.com.br/contido/artigo.php%3Faid%3D54&usg=__TOqixvdp-MbzWUFDwpIwMQIy7aI=&h=535&w=355&sz=19&hl=pt-BR&start=109&um=1&itbs=1&tbnid=F8UY-5nPH6GIUM:&tbnh=132&tbnw=88&prev=/images%3Fq%3Dpergaminhos%2Bfotos%26start%3D100%26um%3D1%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DN%26rlz%3D1T4ADFA_pt-BRBR368BR368%26ndsp%3D20%26tbs%3Disch:1

JESUS – Um homem  localizado na  Historia    

                                                                                                                                                                                                                              
A atuação de Jesus deu-se na Palestina, pequena faixa de terra com área de 20 mil quilômetros quadrados, dividida de alto a baixo por uma cadeia de montanhas. A cidade de Jerusalém contava com aproximadamente 50 mil habitantes. Por ocasião das grandes festas religiosas, chegava a receber 180 mil peregrinos. A economia centrava-se na agricultura, pecuária, pesca e artesanato. O poder efetivo sobre a região estava nas mãos dos romanos,   que respeitavam a autonomia interna das regiões dominadas. O centro do poder político interno localizava-se no Templo de Jerusalém. Assessorado por 71 membros do Sinédrio (tribunal criminal, político e religioso), o sumo sacerdote exercia grande influência sobre os judeus, mesmo os que viviam fora da Palestina. Para o Templo e as sinagogas convergia a vida dos judeus. E foi nesta realidade que Jesus apareceu na História dessa região. (5)

 

 

                                          templo construido pelo rei Salomão

Os Evangelhos dizem-nos imensas coisas sobre Jesus. Mesmo se o seu objetivo,          propriamente dito, não é contar a história dia a dia e nem fazer a descrição jornalística      como gostaríamos hoje de fazer. Contudo, eles são muito mais precisos do que se               pensou durante muito tempo. Acontece que estão cheios de pormenores acerca das         cidades e aldeias do tempo, das maneiras de viver, de falar, acerca das personagens          oficiais. A história e a arqueologia confirmam que todos estes elementos são exatos,            verídicos. Aliás, certos pormenores não podiam ter sido inventados ou escritos mais           tarde porque certas instituições, certas práticas tinham mudado pouco tempo depois             da morte de Jesus, particularmente no ano 70, ano da destruição de Jerusalém. 1900 anos depois dos acontecimentos, descobre-se que os Evangelhos é que tinham razão ao      contrário do que, durante muito tempo, os historiadores julgaram que estava errado, precisamente em algumas das suas passagens: por exemplo, no Evangelho segundo               S. João, considerado o mais espiritual e, portanto, o menos concreto, menos preciso,          mais afastado dos tempos e dos locais, encontramos o nome de mais vinte localidades concretas do que nos outros três evangelistas. Certos números destas localidades desapareceram completamente, mas puderam ser identificadas. Só recentemente os historiadores puderam provar a sua existência… Também em dada altura se perguntou          se a localidade de Nazaré não      tinha sido inventada pelos Evangelhos. Porquê?              Porque o Antigo Testamento e os antigos comentários hebraicos não falam dela. Críticos         e jornalistas fizeram disto um romance completo. Mas, na realidade, já em 1962, uma      equipa de arqueólogos israelitas, dirigida pelo professor Avi Jonah tinha encontrado nas ruínas de Cesaréia Marítima uma placa gravada em hebreu, datando do século III antes        de Cristo e com o nome da aldeia de Nazaré… Em 1927, o arqueólogo francês Vincent encontrou o lithostrotos ou Gabbatha esse espaço lajeado do pretório em que Jesus         esteve quando compareceu diante de Pilatos (Evangelho segundo S. João, capítulo 19, versículo 13). Quanto ao próprio Pilatos, o prefeito romano que condenou Jesus à morte          e do qual não se encontrava rasto concreto ao longo de dezoito séculos (Ainda que         Pilatos seja várias vezes citado pelo Historiador épico Flávio Josefo), arqueólogos          italianos encontraram em   1961, também nas ruínas de Cesaréia Marítima, o seu nome  gravado numa pedra com o seu título exacto: praefectus. (2).


http://pt.wikipedia.org/wiki/Fl%C3%A1vio_Josefo
Esta averiguação a partir dos dados arqueológicos, geográficos e políticos podia ser muito mais desenvolvida. Entretanto, a falta de espaço desse escopo não nos permite nos determos mais nessa questão, mas cada um poderá compreender como o argumentado é fidedigno!

Fontes Não-Bíblicas Atestam a Historicidade de Jesus

 

Flávio Josefo (37-100 d.C.)

O historiador Josefo que viveu ainda no primeiro século (nasceu no ano 37 ou 38 e participou da guerra contra os romanos no ano 70, escreveu em seu livro Antiguidades Judaicas:

 

“(O sumo sacerdote) Hanan reúne o Sinedrim em conselho judiciário e faz comparecer perante ele o irmão de Jesus cognominado Cristo (Tiago era o nome dele) com alguns outros” (Flavio Josefo, Antiguidades Judaicas, XX, p.1, apud Suma Católica contra os sem Deus, dirigida por Ivan Kologrivof. Ed José Olympio, Rio de Janeiro 1939, p. 254). E mais adiante, no mesmo livro, escreveu Flávio Josefo: “Foi naquele tempo (por ocasião da  sublevação contra Pilatos que queria servir-se do tesouro do Templo para aduzir a Jerusalém a água de um manancial longínquo), que apareceu   Jesus, homem sábio, se é que, falando dele, podemos usar este termo — homem. Pois ele fez coisas maravilhosas, e, para os que aceitam a verdade com prazer, foi um mestre. Atraiu a si muitos judeus, e também muitos gregos. Foi ele o Messias esperado; e quando Pilatos, por denúncia dos notáveis de nossa nação, o condenou a ser crucificado, os que antes o haviam amado durante a vida persistiram nesse amor, pois Ele lhes   apareceu vivo de novo no terceiro dia, tal como haviam predito os divinos profetas, que tinham predito também outras coisas maravilhosas a respeito dele; e a espécie de gente que tira dele o nome de cristãos subsiste ainda   em nossos dias”. (Flávio Josefo, História dos Hebreus, Antiguidades Judaicas, XVIII, III, 3 , ed. cit. p. 254). (1, pg. 311 e 3).

Tácito (56-120 d.C.)

Tácito, historiador romano, também fala de Jesus. “Para destruir o boato (que o acusava do incêndio de Roma), Nero supôs culpados e infringiu tormentos requintadíssimos àqueles cujas abominações os faziam      detestar, e a quem a multidão chamava cristãos. Este nome lhes vem de Cristo, que, sob o principado de Tibério, o procurador Pôncio Pilatos entregara ao suplício. Reprimida incontinenti, essa detestável superstição repontava de novo, não mais somente na Judéia, onde nascera o mal,        mas anda em Roma, pra onde tudo quanto há de horroroso e de   vergonhoso no mundo aflui e acha numerosa clientela”    (Tácito, Anais , XV, 44 trad.) (1 pg. 311; 3)

Suetônio (69-122 d.C.)
Suônio, na Vida dos Doze Césares, publicada nos anos 119-122, diz que o imperador Cláudio “expulsou os judeus de Roma, tornados sob o impulso de Chrestos, uma causa de desordem”; e, na vida de Nero, que sucedeu a Cláudio, acrescenta: “Os cristãos, espécie de gente dada a uma superstição nova e perigosa, foram destinados ao suplício” (Suetônio, Vida dos doze Césares, n. 25, apud Suma Católica contra os sem Deus, p. 256-257). (1 pg. 311; 3)et

Plínio o Moço (61-114 d.C.)
Plínio, o moço, em carta ao imperador Trajano (Epist. lib. X, 96), nos anos 111 – 113, pede instrução a respeito dos cristãos, que se reuniam de manhã para cantar louvores a Cristo. (4, pg. 106).

Tertuliano (155-220 d.C.)
Escritor latino. Seus escritos constituem importantes documentos para a compreensão dos primeiros séculos do cristianismo. (6). Ele escreveu: “Portanto, naqueles dias em que o nome cristão começou a se tornar conhecido no mundo, Tibério, tendo ele mesmo recebido informações   sobre a verdade da divindade de Cristo, trouxe a questão perante o Senado, tendo já se decidido a favor de Cristo…”.

Os Talmudes Judeus:

A tradição judaica recolhe também notícias acerca de Jesus. Assim, no Talmude de Jerusalém e no da Babilônia incluem-se dados que, evidentemente, contradizem a visão cristã, mas que confirmam a     existência histórica de Jesus de Nazaré. 

 

 

 

Considerações Sobre a Existência de Jesus Cristo

Para o leitor ter uma idéia do quanto à existência de Cristo é rica em suas fontes, analisemos analogamente a biografia de Alexandre (o Grande) e Jesus. As duas biografias mais antigas sobre a vida de Alexandre foram escritas por Adriano e Plutarco depois de mais de 400 anos da morte de Alexandre, ocorrida em 323 a.C. e mesmo assim os historiadores as consideram muito confiáveis. Para a maioria dos historiadores, nos   primeiros 500 anos, a história de Alexandre ficou quase intacta. Portanto, comparativamente, é insignificante saber que os evangelhos foram      escritos 60 ou 30 anos (isso no máximo) depois da morte de Jesus e esse tempo seria insuficiente para se mitificar um indivíduo.

Por exemplo, embora os Gathas de Zoroastro, que datam de 1000 a.C.,   sejam consideradas autênticas, a maior parte das escrituras do zoroastrismo só foram postas por escrito no século III d.C. A biografia    pársi mais popular de Zoroastro foi escrita em 1278 d.C. Os escritos de  Buda, que viveu no século VI a.C., só foram registrados depois da era   cristã. A primeira biografia de Buda foi escrita no século I d.C. Embora as palavras de Maomé (570-632 d.C.) estejam registradas no Alcorão, sua biografia só foi escrita em 767 d.C., mais de um século depois de sua morte. Portanto, o caso de Jesus não tem paralelo, e é impressionante o quanto podemos aprender sobre ele fora do Novo Testamento… Ainda que não tivéssemos nenhum dos escritos do Novo Testamento e nenhum outro livro cristão, poderíamos ter um prisma nítido do homem que viveu na Judéia no século I. Saberíamos, em primeiro lugar, que Jesus era um professor judeu; segundo, muitas pessoas acreditavam que ele curava e  fazia exorcismos; terceiro, algumas acreditavam que ele era o Messias; quarto, ele foi rejeitado  pelos líderes judeus; quinto, foi crucificado por ordem de Pöncio Pilatos durante o reinado   de Tibério; sexto, apesar de sua morte infame, seus seguidores, que ainda acreditavam que   ele estivesse vivo, deixaram a Palestina e se espalharam, assim é que havia muitos deles em   Roma por volta de 64 d.C.; sétimo, todo tipo de gente, da cidade e do campo, homens e mulheres, escravos e livres, o adoravam como se ele fosse Deus. Sem dúvida a quantidade     de provas corroborativas  extrabíblicas é muito grande. Com elas, podemos não somente reconstruir a vida de Jesus sem termos de recorrer à Bíblia como também ter acesso à informação sobre Cristo por meio de um material mais antigo do que os próprios    evangelhos. (Adaptado de 7 pg. 113 e 114).

 

Conclusão

Pelo que argumentamos acima, diante de tão significativa testemunha documental, podemos afirmar que verdadeiramente Jesus Cristo é um homem da História,  tanto que ele a dividiu em antes e depois dele. O pesquisador que acurar a questão sem preconceito chegará à conclusão que as provas são substanciais. As provas existem, mas quem quiser escapar a elas, escapa. Como se, afinal de contas, Jesus nos    quisesse deixar a decisão de lhe conceder um lugar na história, na nossa história. Recordemos quando Ele devolveu a pergunta aos apóstolos: “E vós, quem dizeis que eu sou?”. Pense nisso!

 

 

Bibliografia

01-Giordani, Mário Curtis. “História de Roma” Antiguidade Clássica II, Editora      Vozes, 1968.
02
http://www.1000questions.net/pt/
03-
http://www.montfort.org.br/veritas/index.html

04 – Macdowell, J., “Verdades que Exigem Um Veredito” Vol. 1, Ed. Candeia,           1992, São Paulo.

05-  mccgedtb.vilabol.uol.com.br/Ged_Tubarao/Reflexoes/reflexoes01.htm

06 – Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda.

07 – Strobel, Lee, “Em Defesa de Cristo”, Editora Vida, 1998, São Paulo.

08 – Armstrong, K., A History of God, New York, Ballantine/Epiphany

AUTOR: Prof. João Flávio Martinez

Graduado em história e professor de religiões.

“Sabei que so o Senhor é Deus, foi Ele quem nos fez e dele somos” Sl100  mundomartins@

Publicado 11 de julho de 2010 por mundomartins4766 em Conhecimento, Não categorizado

A Igreja e o Terceiro Reich   Leave a comment

                  ( o bom pastor da a sua vida pelas ovelhas )
        O espirito de Pilatos, visto por um jovem dramaturgo alemão nas atitudes do "vigario" de Cristo; Em 1963 Rolf Holchhuth, escreveu a peça Der Stellvertreter ( O Representante de Cristo ) O tema central da obra não deixa de parecer menos surpreendente hoje. Com uma variada documentação sobre a relação entre a Igreja e o Terceiro Reich descontadas as limitações impostas pelo fato de até hoje o Vaticano não ter aberto seus arquivos da época ( Joâo Paulo II abriu em 2003 apenas os arquivos de 1922-1939 ), o que está em questão na peça é o significativo silêncio do papa Pio XII ( Eugenio Pacelli ) frente aos massacres alemães contra os judeus e a sua recusa a condenar abertamente o anti-semitismo e o regime nazista desde o inicio evidentimente criminoso, inclusive com a Igreja Católica e seus fies-, algo que fez apenas em 1945, ano em que o regime capitulou.
    http://olavosaldanha.wordpress.com/auschwitz-treblinka-chelmno-o-holocausto/
      O texto nem chega a mencionar o capitulo possivelmente  mais comprometedor da trajetória pessoal de Eugenio Pacelli como cardeal-secretário de Estado, como núncio apostolico na alemanha e em suas várias atribuições nas relações internacionais, em que cuidava fundamentalmente das relações Igreja-Estado, que ñ deixa de de envolvê-lo, como atestam documentos já tornados públicos, em algo muito maior que um significativo siléncio. Ainda hoje, com efeito, as disputas em torno do problema, com fevorosas defesas de ambos os lados, raramente põem em questão o siléncio como um fato puro e simples.
                ( Rolf Hochhuth, já idoso)
      http://pt.wikilingue.com/es/Rolf_Hochhuth
      Hochhuth tinha pouco mais de 30 anos quando elaborou o texto da peça, que logo se tornou conhecida e foi montada por todo o mundo. Em 24 de setembro de 1963, foi encenada no Stadttheater de Basel, na suiça, e teve na platéia a presença do filósofo Karl Jaspers e sua esposa, Gertrud. Quize dias depois Jaspers já participava de um debate sobre a peça na Rádio Studio basel, com membros de várias denominações religiosas e o próprio Hochhuth. Ele relatou á pensadora Hannah Arendt que ficava vivamente impresionado por ver este alemão de apenas 30 anos, sem qualquer formação academica, envolvido com tal paixão e ânimo na questão do assassinato dos judeus.
         Osservatore Romano, jornal do Vaticano, discreve em 29/03/1963 menimizando os seguintes termos: " Se Hochhuth está correto, então é o papa o culpado pelo assasinato dos judeus e não Hitler, Hilmmer e Eichmann". Em 1964 Hannah Arendt escreve, uma resenha da peça com o titulo  THE DEPUTY: GUILLT BY SILENCE? (recentemente traduzido por O vigário: culpa pelo Silencio? , no livro Responsabilidade e julgamento, da Companhia das Letras).
               ( Hannah Aredt )
   http://www.dw-world.de/dw/article/0,,2203332,00.html
          Em seu texto, Hannah Aredt principia por afirmar que a peça é praticamente uma reportagem. Em bora tenha de inicio se perguntado sobre a qualidade literária do texto de Hochhuth, em sua resenha diz que o autor parece estar tão interessado na verdade factual quanto na qualidade literária do texto. Quanto a os fatos , começa por afirmar que " considerado como um governante secular, o papa fez o que a maioria dos governantes seculares, embora não todos, fizeram sobre as mesmas circustancias". Considerada como uma instituição entre outras, a Igreja tendeu a se acomodar ao regime e buscou preservar os seus interesses( preservação das associações e propriedades, liberdade de insino).
        A atitude do vaticano, diz Hannah Arendt foi de uma "rigida aderência a normalidade", passando por alto do colapso moral e espiritual de uma europa acerca da qual o que menos se podia dizer é que seguia a normalidade. No fim das contas, é como se a atitude de vaticano frente a Hitler e o  interece em manter boas relações com o Reich indicasse um Estado minúsculo de menos de mil habitantes prevaleceu da Santa Sé sobre meio bilhão de pessoas por todo o mundo. Podemos dizer que mais uma vez os ROMANOS LAVARAM AS MÃOS "LEMBRANDO PILATOS", e nos perguntar se a "neutralidade" politica não comprometeu aqui a condição de guia moral e universal.  ver Mateus 22: 37 a 40
             ( mais de 14 milhoes de vidas dizimadas)
            A defesa do Vaticano, frequentimente argumentou que uma reação ou uma recusa a cooperar com o nazismo teria tornado as coisas piores, descosiderando que houve momentos em que chegaram ao conhecimento da Igreja noticias de varias fontes sobre atrocidades nazistas em relação ás quais dificilmente se poderia imaginar algo pior. Como efeito, o interesse em cooperar e em manter as boas relações com Hitler chegou ao ponto de fazer com que o papa Pio XII não se manifestasse abertamente contra a deportação dos judeus de Roma, em 1943, sob as janelas do "santo padre", na expressão do embaixador alemão na Santa Sé á época.
        
http://www.google.com.br/search?sourceid=navclient&hl=pt-BR&ie=UTF-8&rlz=1T4ADFA_pt-BRBR368BR368&q=karl+jespers
          Era esse o sentido da acusação de Hochhuth contra o Vaticano,  de que o papa falhou em não mobilizar o meio bilhão de católicos sob sua orientação de sua própria influencia, então perguntamos, foi por falta de interesse, ou uma atitude deliberada como outros (anti-semitismo, o anticomunismo e a germanofilia). Será que o papa que era também alemão queria o dominio da raça ariana aqualquer custo? -Sobre sua face Judeus eram deportado p/ sua terra natal e Esterminando inclusive judeus que eram membros de sua  Igreja em Roma.
          A Santa Sé tinha sua própria politica  com o Terceiro Reich, e até a deflagação da guerra era até mais amigável que a do episcopado alemão, que chegou a condenar abertamente o nazismo e seu racismo mesmo antes da ascenção de Hitler e teria sido obrigado a ceder p/ viabilizar a Concordata do Vaticano com o Reich. O interesse do Vaticano em manter a Concordata assinada com Hitler em 1933, a preservar os interesses católicos ( á exceção dos judeus catolicos), a despeito das várias violações alemães, resultou mais efetivamente em um decreto de silêncio perante as ações do regime.
      
      Ademais, já em março de 1933, o papa Pio XI – antecessor de Eugenio Pacelli e de quem ele era cardeal-secretário de Estado louvava em Hitler a promoção da cruzada antibolchevista na Alemanha. Pode-se afirma que o perigo do comunismo balizou a avaliação da Santa Sé da maior parte dos eventos politicos na primeira metade do século passado, p/ melimitar q é mais evidente. Na concordata com o Reich,  e suas inúmeras violações, Hitler soube aproveitar bem este temor, sempre argumentando (durante a Guerra Civil Espanhola, por exemplo), q sob o comunismo poderia ser pior. Independente disto, foi o próprio papa quem congratulou o ditador Franco pela"vitória católica na Espanha". 
       A situação dos Judeus convertidos ao católicismo é analisado por Hanna Arendt: "Não posso deixar de pensar que se houve algum grupo de pessoas mais abandonado por toda a humanidade do que os judeus viajando p/ sua morte, deve ter sido esse de católicos " não arianos" que deixaram o judaismo e que eram agora separados, como um grupo á parte, pelos mais altos dignitário da Igreja". Com efeito, a despeito de protesto que  logo cessaram a hierarquia alemã aquiesceu às leis de segregação nazistas e foi obrigada a reconhecer na prática que o batismo catolico não é capaz de tornar cristão um judeu. Doravante, os cristãos convertidos tiveram pavimentado o caminho que os conduziria à morte- inclusive Edith Stein, Filósofa carmelita convertida de origem judaica, que morreu em Auschwitz e já na primavera de 1933 havia exortado o papa Pio XI, sem sucesso, a publicar uma declaração categórica contra o anti-semitismo. ver Mateus7 : 15 
         
     
       Esteve nas telas dos cinemas e chegou às locadoras de video brasileiras, o filme Amém do cineasta grego Costantin Costa-Gravas, que esteve em Salvador 28 a 31 de março de 2005, por conta do Seminário Internacional de Cinema Audiovisual- a mais recente manifestação de uma tempestade cujo inicio remonta há 40 anos. A disputa em torno do filme desencadeada por seu tema e principalmente por seu cartaz, elaborado pelo polêmico Oliveiro Toscani (Benetton), com a suástica de Hitler associada à cruz de Cristo. Para além do fato que o cartaz é muito mais incisivo que o filme e talvez do que dos fatos, o que nos  interessa aqui é aceitar o convite do filme a pensar no assunto- a obra antes de tudo rompe o silêncio e se afirma como um manifesto contra a indiferença.
          ( Costantin Costa Gravas)
          http://www.oolhodahistoria.ufba.br/artigos/amem-soleni-fressato.pdf
         O papa Pio XII aparece na pelicula como um diplomata mais que como um lider espiritual e moral. Seu silêncio é associado indiretamente às articulações politicas do Vaticano p/ defender seus interesses. Sem explorar a fundo as eventuais ambiguidades dos personagens, o filme prima por apresentar com vigor a sua presença pública, evidenciado as consequências trágicas da omissão em tempos sombrios. Costa-Gravas sustenta que desejava fazer um filme que considerasse o lado dos alemães, e não primariamente o das vitimas: "Eu me perguntava como era possivel que tantas pessoas levantassem de manhã, durante quatro anos, para ir metodicamente a um trabalho que consistia em destruir outras pessoas".  VER MATEUS 7: 21 A 23
             ( PORTÃO PRINCIPAL DE  AUSCHWITZ )
              http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-139474324-amem-filme-europeu-dvd-original-_JM
         Na pinião do diretor, o filme não emite um juizo, ele mostra uma verdade histórica- "o papa nunca levantou a voz contra o Holocausto, mesmo sabendo de tudo"- e deixa o expectador a prerrogativa de julgar. Segundo ele, a defesa da posição da Igreja segue a lógica de que " se uma reação diante da opressão pode ter resultado, então é melhor não semexer. eu acho que  devemos sempre resistir contra o impossivel".
     Com efeito, esta lógica desconsidera que a ação de vários católicos que contribuiram isoladamente p/ salvar inúmeros judeus poderia ter se tornado um movimento de grandes proporções se o papa se posicionasse abertamente e colocasse a estrutura da Igreja á disposição da resistência. Cabe notar ainda que  o filme foi lançado, coincidentimente, em uma involuntária ironia, no momento em que a Igreja Católica se discutia novamente a beatificação de Pio XII.
      ( auschwitz hoje é um museu)
          É inegável que surgiu uma infinidade de novos documentos, em grande parte também em vista  da polémica desencadeada por Hochhuth, e agora pelo filme, que atestam inúmeras iniciativas isoladas da hierarquia eclesiástica e algumas outras iniciativas da Santa Sé. De qualquer modo, é realmente insustentável supor que o papa Pio XII, tenha sido o responsável por Auschwitz ou pelo nazismo.
                 http://www.maozisrael.com.br/holocausto/holocausto.htm
 
                 " Para a culpa, é necessário que se tenha feito algo, e mesmo o pecado da omissão ainda implica que se poderia ter agido e que, por conseguinte, a abstenção é uma espécie de ação, só que de um outro modo. Assim como o silêncio pode ser um outro modo de falar".  Hannah Arendt
   –Dos 14 milhoes de assasinados 6 milhoes eram judeus-
 
      De ADRIANO CORREIA  doutor em Filosofia pela Unicamp e organizador do livro Transpondo o abismo – filosofia e politica em Hannah Arendt (Forense Universitária,2002) http://www.slideshare.net/AmordeMae/holocausto-imagens-chocantes?from=share_email 
  E mais uma vez se cumpriu a escritura: ver mateus; cap.27: 24 e 25
 " ver tambem apocalipse capitulo 17 ; 01 a 18
 
  

Publicado 13 de junho de 2010 por mundomartins4766 em Não categorizado

OS QUATROS PRIMEIROS SIMBOLOS DOS SETE SELOS DO APOCALYPSE   Leave a comment

                            
         DENTRE AS MUITAS FIGURAS ESTRANHAS DO APOCALIPSE, OS CAVALOS E CAVALEIROS SÃO UMA DAS Q PROVOCAM MAIS MEDO E ESPANTO NAS PESSOAS. TAMBÉM É UMA DAS PROFECIAS Q MAIS ALIMENTA A IMAGINAÇÃO DOS "PROFETAS" DO FIM DO MUNDO.
      MORTE, SANGUE, ESPADA, FOME E PESTES SÃO INGREDIENTES EXTRAORDINÁRIOS P/ ELABORAR UM COQUITEL TERRORISTA E LEVAR DESESPERO E PAVOR AO HOMEM MODERNO, JÁ AFRITO SOB AS CIRCUSTÂNCIAS DE VIOLÊNCIA EM QUE A SOCIEDADE VIVE.
      MAS O QUE HÁ POR TRÁS DESSES MISTERIOSOS CAVALOS? PARA ENTENDER ESSAS PROFECIAS, É PRECISO Ñ PERDER O FIO DO GRANDE CONFLITO CÓSMICO QUE TEVE INICIO NO CÉU.
      QUAIS FORAM AS ACUSAÇÕES QUE LÚCIFER LEVANTOU CONTRA DEUS?? BASICAMENTE DUAS: a primeira TINHA A VER COM ADORAÇÃO. LÚCIFER QUERIA TODA ADORAÇÃO PARA SI. "Eu subirei ao céu; acima das nuvens e serei semelhante ao altissimo". ISAIAS 14: 13 e 14
           
 A segunda ACUSAÇÃO TINHA A VER COM A OBEDIÊNCIA. SEGUNDO LÚCIFER, ERA IMPOSSIVEL QUE A CRIATURA PUDESSE OBEDECER AOS PRINCIPIOS PRESERVADORES DA VIDA ESTABELECIDOS PELO CRIADOR. PORTANTO, O ANJO CAIDO TENTOU DESTRUIR A PALAVRA DE DEUS.
      O CONFLITO CÓSMICO TEVE INICIO NOS CÉUS, TRANSFIRIU-SE PARA ESTE PLANETA E FOI SEMPRE FUNDAMENTADO NESTES DOIS PONTO: ADORAÇÃO E OBEDIÊNCIA. AO LONGO DA HISTORIA, O INIMIGO TEM TENTADO ATRAIR A ADORAÇÃO DOS HOMENS P/ SI E, AO MESMO TEMPO, TEM TENTADO DESVIRTUAR A PALAVRA DE DEUS. PARA CONSEGUIR ESTES DOIS OBJETIVOS ELE USA TODOS OS MÉTODOS POSSIVEIS: ENGANA, FACINA, MENTE, ESCONDE, PERSEGUE, VIOLENTA, MATA E DESTRÓI.
         A PROFECIA DOS QUATRO CAVALEIROS DO APOCALIPSE MOSTRA DIFERENTES MÉTODOS QUE O DIABO USOU AO LONGO DA HISTORIA, PARA ALCANÇAR SEUS OBJETIVOS; E APRESENTAR TAMBÉM A MANEIRA COMO  OS CRISTÃOS REAGIRIAM ÁS INVESTIDAS DO INIMIGO, NOS DIFERENTES PERIODOS DA HISTORIA. ISTO É BÁSICO NO PROCESSO DO JULGAMENTO.
      MUITOS INTERPRETES DA BIBLIA TÊM CONSIDERADO OS QUATRO CAVALEIROS DO APOCALIPSE COMO PORTADORES DO JUIZOS DIVINOS. EXISTEM ATÉ FILMES DESCREVENDO ESSES MISTERIOSOS PERSONAGENS COMO CAVALEIROS VINGADORES TRAZENDO DESGRAÇAS E TRAGEDIAS SOBRE OS SERES HUMANOS.
          SERIAM OS FURACÕES, TERREMOTOS E CATACLISMOS, CASTIGOS DIVINOS QUE OS CAVALEIROS TRAZEM??
DEVERIA A HUMANIDADE FICAR APAVORADA DIANTE DAS POSIVEIS CATÁSTROFES QUE ESSES CAVALEIROS ANUNCIAM??
          
EXISTE BASE BIBLICA P/ SEMELHANTE ESPECULAÇÃO? O LIVRO DO APOCALIPSE Ñ PODE SER USADO COM LEVIANDADE OU FANATISMO IRRACIONAL. PRECISA SER ESTUDADO COM BASE TEOLÓGICA E PROJEÇÃO HISTÓRICA.
       ESTUDANDO DESSA MANEIRA, PERCEBEREMOS QUE OS CAVALEIROS DO APOCALIPSE SIMBOLIZAM OS VÁRIOS PERIODOS PELOS QUAIS PASSARIA A IGREJA CRISTÃ, EM RELAÇÃO COM SUA FIDELIDADE Á PALAVRADE DEUS. ESSAS PROFECIAS E PARTE  DA VISÃO DOS SETE SELOS.
      O APOSTOLO JOÃO NARRA ASSIM O CAPITULO 5 VERSO 1 DE APOCALIPSE: "Vi, na mão direita daquele que estava sentado no trono, um livro escrito por dentro e por fora, de todo selado com sete selos".
      AQUELE LIVRO SERÁ ABERTO PARA DAR INICIO AO JUIZO. NELE ESTÃO AS PROVAS E EVIDÊNCIAS A FAVOR OU CONTRA OS SERES HUMANOS. COMO VIVERAM AO LONGO DA HISTÓRIA?? PERMANECERAM FIES A DEUS, DANDO-LHE A GLÓRIA E HONRA, DEVIDAS? FORAM OBEDIENTES Á SUA PALAVRA, OU DEIXARAM-SE ENGANAR OU INTIMIDAR PELO INIMIGO DE DEUS??
      O LIVRO ESTÁ  SELADO COM SETE SELOS E, QUANDO O ULTIMO SELO FOR ABERTO, A HISTIRIA DO CONFLITO ENTRE O BEM E O MAL TERÁ CHEGADO AO FIM. CRISTO VOLTARÁ PARA BUSCAR OS SEUS FILHOS Q PERMANECERAM FIÉIS A ELE.
       ESTE É UM MOMENTO SOLENE. OS SELOS SERÃO ABERTO E O GRANDE JULGAMENTO TERÁ INICIO. PREPARE-SE P/ CONTEMPLAR OS REGISTROS DA HISTÓRIA.
       QUANDO FOI ABERTO O PRIMEIRO SELO, APARECEU "… um cavalo branco e o seu cavaleiro com um arco; e foi -lhe dada uma coroa; e ele saiu vencendo e p/ vencer" APOCALYPSE 6: 2 
        AQUI SE REVELA A PUREZA E O PODER DE CONQUISTA DO EVANGELHO DIANTE DO PAGANISMO NO INICIO DA IGREJA CRISTÃ. A COR BRANCA É USADA NA BIBLIA COMO SIMBOLO DE PUREZA."… ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve…" . ISAIAS 1: 18
        IMAGINEMOS O QUADRO: JESUS ACABARA DE RESSUSCITAR, E TINHA RETORNADO AOS CÉUS. ALI ESTAVA A IGREJA QUE ELE FUNDARA. JESUS TINHA VINDO A ESTE MUNDO Ñ APENAS P/ SALVAR O HOMEM, MAS PARA CONFIRMAR UMA VERDADE INQUESTIONALVEL, QUE ENCONTRAMOS EM MATEUS 4: 10: "Ao Senhor, teu Deus, adoraás, e só a Ele darás culto".
        E, TAMBÉM, PARA ENCINAR QUE A PALAVRA DE DEUS É IMUTAVEL E ETERNA (Mateus 5: 18). JUSTAMENTE OS DOIS PONTOS CRITICOS QUE O INIMIGO TENTA DESVIRTUAR.
        A FIGURA DO CAVALO BRANCO NOS REVELA COMO SE CONDUZIU A IGREJA DE JESUS NO PRIMEIRO SÉCULO. AQUELE FOI UM PERIODO DE GUERRA ENTRE A VERDADE E A MENTIRA; ENTRE A VERDADEIRA E A FALSA ADORAÇÃO. A IGREJA FOI CLUELMENTE PERSEGUIDA POR Ñ QUERER INCLINA-SE DIANTE DE CÉRSAR QUE RECLAMAVA A ADORAÇÃO P/ SI. VC IMAGINA QUEM ESTAVA POR TRÁS DE CÉSAR ? A IGREJA TAMBÉM FOI DURAMENTE PERSEGUIDA POR SUA FIDELIDADE Á PALAVRA DE DEUS. O PRÓPRIO JOÃO AFIRMA EM APOCALYPSE 1:19 Q ESTAVA PRESSO NA ILHA DE PATMOS POR CAUSA DA PALAVRA DE DEUS: "Eu, João irmão vosso e companheiro na tribulação… achei-me na ilha de patmo, por causa da palavra de Deus…".
           OS MÁRTIRES QUE MORRERAM E QUE APARECERAM RESSUSCITADOS NA ABERTURA DO QUINTO SELO TAMBÉM AFIRMAM QUE FORAM MORTOS POR CAUSA DA PALAVRA DE DEUS. MAS APESAR DE TODA FÚRIA DESATADA CONTRA O POVO DE DEUS NESTE PRIMEIRO PERIODO DA HISTORIA DA IGREJA CRISTÃ, ELA SE MANTEVE FIEL AOS DOIS PONTOS CRITICOS. FOI UMA IGREJA VENCEDORA, QUE FEZ ESTREMECER O INIMIGO COM SUA DOUTRINA PURA E SEU ESPIRITO DE  EVANJELIZAÇÃO.
             
           AO CAVALEIRO "FOI-LHE DADA UMA COROA E SAIU VENCENDO E P/ VENCER".
           AO ABRIR-SE O SEGUNDO SELO, DIZ O TESTO BIBLICO QUE: "E saiu outro cavalo,vermelho; e ao seu cavaleiro, foi lhe dado tirar a paz da terra para que os homens se matassem uns aos outros; também lhe foi dada uma grande espada". APOCALIPSE 6: 4
        JÁ VIMOS QUE O CAVALO BRANCO – QUE SIGUINIFICA O PRIMEIRO PERIODO DA IGREJA CRISTÃ – EXPRESSAVA A PUREZA DE SEU CARÁTER E DOUTRINA.  PUREZA NA ADORAÇÃO, POR QUE, APESAR DAS PERSEGUISÕES, AMEAÇAS E MORTES, OS MEMBROS DA IGREJA PRIMITIVA PREFERIAM ADORAR A DEUS ANTES QUE A CÉSAR. PUREZA NA OBEDIÊNCIA Á PALAVRA DE DEUS, PORQUE, APESAR DO PERIGO FISICO QUE SIGUINIFICAVA OBEDECER ÁS ESCRITURAS SAGRADAS, AQUELES CRISTÃOS DO PRIMEIRO SÉCULO MANTIVERAM A DOUTRINA DE JESUS INALTERADA.
       MAS O GRANDE OBJETIVO DE SATANÁS SEMPRE FOI ATACAR OS FILHOS DE DEUS NESTES DOIS PONTOS. FAZER QUE A IGREJA CORROMPA A SUA ADURAÇÃO E DOUTRINA. E, SE Ñ CONSEGUISSE ISSO PELA FORÇA DA PERSEGUIÇÃO DO IMPÉRIO ROMANO, TRATARIA DE FAZE-LO POR OUTROS MEIOS.
          O CAVALO VERMELHO REVELA DISCÓRDIA, DISCUSSÃO E CONTROVÉRSIA ENTRE OS PRÓPRIOS FILHOS DE DEUS. VEMELHO É A COR DO SANGUE, E, POR ESSE MOTIVO, MUITOS ESTUDIOSSOS DA BIBLIA RELACIONAM ESTE PERIODO COM A ÉPOCA DE PERSEGUIÇÕES EXTREMAS QUE A IGREJA ATRAVESSOU DURANTE OS TRÊS PRIMEIROS SÉCULOS, SOB AS MÃOS DOS CÉSARES. MAS O TEXTO BIBLICO AFIRMA QUE "os homens se matavam uns aos outros," OU SEJA, ESTA É UMA GUERRA INTERNA. NÃO É DE FORA PARA DENTRO, MAS DE DENTRO DA PRÓPRIA IGREJA, TENDO COMO PROTAGONISTAS OS PRÓPRIOS CRISTÃOS. 
       O QUE ACONTECEU FOI QUE A IGREJA, NO SEU AFÃ ENTUSIASTA DE EVANJELIZAR TODO O MUNDO, COMEÇOU A BATIZAR PESSOAS QUE NÃO TINHAM CONHECIMENTO SUFICIENTE DA DOUTRINA CRISTÃ. MUITOS GREGOS, ROMANOS E GENTIOS, COMEÇARAM A PERTENCER Á IGREJA SEM TER ABADONADO OS SEUS VELHOS COSTUMES E DOUTRINAS, E IMPERCEPTIVELMENTE COMEÇARAM A CONTAMINAR A PUREZA DA DOUTRINA BIBLICA QUE SE MANTIVERA BRANCA DURANTE O PRIMEIRO SÉCULO.
      PODEMOS TOMAR COMO EXEMPLO, O IMPERADOR COSTANTINO. ELE TORNOU-SE CRISTÃO, O QUE FOI MOTIVO DE MUITA ALEGRIA PARA O CRISTIANISMO. JÁ IMAGINOU SE O PRESIDENTE DA RÚSSIA SE CONVERTESSE HOJE AO CRISTIANISMO? MAS COSTANTINO ADORAVA O SOL NO DIA CONSAGRADO A O DEUS SOL: O DOMINGO. ASSIM, O IMPERADOR, ” COVERTIDO " AO CRISTIANISMO, TROUXE P/ A IGREJA O DOMINGO COMO DIA ESPECIAL. ASSIM A IGREJA SE DIVIDIA, UNS ADORAVA A DEUS NO SÁBADO E OUTROS NO DOMINGO E DAIR ENDIANTE JA SABEMOS NO QUE SE TORNOU A IGREJA DOS APOSTULOS DE CRISTO, A PERECEU A FIGURA DO PAPA, O CELIBATO E AS IMAGENS DOS MÁRTIRES MORTOS FEITO DE PEDRA, DE GESSO, MADEIRA E ETC INFEITANDO AS IGREJAS.
 http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&rlz=1T4ADFA_pt-BRBR368BR368&ei=f6TdS4r4LcOyuAfG7PH5Bg&sa=X&oi=spellfullpage&resnum=0&ct=result&cd=2&ved=0CAYQvwUoAQ&q=CONSTANTINO+E+CRUZ&spell=1    
QUASE NADA VC PERCEBE? O SÁBADO AS IMAGENS DE ESCULTURAS A FIGURA PAPAL NO LUGAR DO ESPIRITO SANTO TUDO FOI CONSIDERADO APENAS UM DETALHE. O IMPORTANTE ERA ADORÁ O VERDADEIRO DEUS, SEM DAR MUITA ATENÇÃO AO DIA. E VEJA, O INIMIGO CONSEGUIO O QUE QUERIA: CORROMPER A PUREZA DA DOUTRINA CRISTÃ. MATEUS 5: 17
            
A IGREJA TINHA CRESCIDO. JÁ Ñ ESTAVA FORMADA POR AQUELE PEQUENO GRUPO QUE SEGUIA A JESUS. HAVIA IGREJAS CRISTÃS NAS MAIORES METRÓPOLES DA ÉPOCA. A QUEM DEVIAM ELES OBEDECER? TINHA QUE HAVER UM CABEÇA DA IGREJA. NAQUELE TEMPO, TODOS CONSIDERAVAM JESUS COMO A CABEÇA DA IGREJA. "Mas já que Jesus não estava mais presente fisicamente, alguem devia assumir a lideraça da igreja"-PENSAVAM ALGUNS. E O MAIS NATURAL É QUE FOSSE O BISPO DE ALGUMAS DAS IGREJAS EXISTENTES. MAS QUEM?
      BOM, SE ROMA ERA O PODER POLITICO QUE DOMINAVA O MUNDO, SERIA LÓGICO QUE O BISPO DE ROMA PASSASE A TER O COMANDO  DA IGREJA MUNDIAL. MAS OS BISPOS DAS OUTRAS CIDADES NÃO ACEITARAM ISSO FACILMENTE, O QUE DEU ORIGEM A GUERRAS SANGUINÁRIAS.
         O HISTORIADOR Walter Duram DECLARA QUE "PROVAVELMENTE, MAIS CRISTÃOS FORAM DEGOLADOS POR CRISTÃOS DO QUE EM TODAS AS PERSEGUIÇÕES QUE OS PAGÃOS FIZERAM CONTRA OS CRISTÃOS NA HISTORIA DE ROMA.
       http://pt.wikipedia.org/wiki/Persegui%C3%A7%C3%A3o_aos_crist%C3%A3os
O QUE REALMENTE IMPRECIONA É QUE A PROFECIA JÁ DESCREVIA ESSE EPISÓDIO LAMENTAVEL DA HISTORIA DA IGREJA. A IGREJA CRISTÃ DA QUELE PERIODO É SIMBOLIZADA PELO CAVALO VERMELHO, A CUJO CAVALEIRO FOI DADO TIRÁ "A PAZ DE MODO QUE OS HOMENS SE MATASSEM UNS A OS OUTROS".
          QUANDO O TERCEIRO SELO SE ABRE, JOÃO DIZ: "… vi, e eis um cavalo preto e o seu cavaleiro com uma balança na mão". apocalipse 6:5
       A COR PRETA FALA POR SI MESMA. É A ANTITÉSE DO BRANCO. E SE O CAVALO BRANCO SIMBOLIZA O PERIODO DE PUREZA DA IGREJA, VC JÁ PODE IMAGINAR O GRAU DE DEGRADAÇÃO QUE ESTE TERCEIRO CAVALEIRO REPRESENTA. ESTA É A IGREJA QUE VAI ATÉ O INICIO DA IDADE MÉDIA. NESSE PERIODO DA HISTORIA A IGREJA Ñ FOI CAPAZ DE MANTER PURA A ADORAÇÃO AO UNICO E VERDADEIRO DEUS, NEM PRESTOU OBDIÊNCIA FIEL Á SAGRADA ESCRITURA. CONTAMINOU-SE COM UMA MONTANHA DE TRADIÇÕES HUMANAS E CUSTUMES PAGÃOS.
         ENQUANTO JESUS DECLAROU QUE SEU " reino não é deste mundo", O LIDER DA IGREJA DA QUELA ÉPOCA COBIÇOU E ASSUMIU  O PODER TERRENO. O IMPÉRIO ROMANO HAVIA CAIDO. OS IMPERADORES TINHAM DASAPARECIDO E A UNICA AUTORIDADE QUE PERMANECEU FOI O BISPO DA IGREJA CRISTÃ DE ROMA, ANTIGA SEDE DO PODER POLITICO. O PODER DESSE LIDER RELIGIOSO NÃO ERA MAIS APENAS ESPIRITUAL, ERA TAMBÉM POLITICO E SOCIAL.  
         O CAVALEIRO MONTADO NESTE CAVALO TENHE UMA BALAMÇA NA MÃO E, DEREPENTE, SE OUVE UMA VOZ DIZENDO: "…UMA MEDIDA DE TRIGO POR UM DENÁRIO; TRÊS MEDIDA DE CEVADA POR DENÁRIO…" APOCALIPSE 6:6
      ESTA ERA UMA MEDIDA DE PESO, QUE NA EPOCA EM QUE O APOCALIPSE FOI ESCRITO "era a ração que um soldado ou um escravo podia adquirir por dia. TRATA-SE, PORTANTO  DE UMA RAÇÃO MINIMA DE ALIMENTO QUE OS POBRES RECEBIAM, MAS O PREÇO "UM DENÁRIO" ERA 16 VEZES MAIOR QUE O PREÇO QUE AQUELA RAÇÃO MISERÁVEL DEVIA CUSTAR."
      ISSO SOGUINIFICA OPRESSÃO, EXPLORAÇÃO E FOME. QUER DIZER QUE OS LIDERES DA IGREJA CRISTÃ DAQUELE TEMPO SE CARACTERIZARIAM POR PROMOVER FOME ESPIRITUAL, ESCONDENDO DO POVO A LEITURA DA BIBLIA OU VENDER INDULGENCIAS, CHEGANDO AO EXTREMO DE FIRMAR QUE, AO MOMENTO QUE AS MOEDAS BATIAM NO FUNDO DA SALVA, OS PECADOS ERAM APAGADOS DOS REGISTROS CELESTIAIS?
       A VERDADEIRA ADORAÇÃO A DEUS E A OBEDIÊNCIA PURA Á SUA PALAVRA FICARAM ESQUECIDAS. O INIMIGO, MAIS UMA VEZ, ESTAVA CONSEGUINDO SEU PROPÓSITO. MAS A VOZ QUE FALOU, QUANDO O CAVALO PRETO APRECEU, DISSE: "não danifiqueis o azeite e o vinho". O QUE SIGUINIFICA ISSO? HAVERIA UM REMANESCENTE QUE, A DESPEITO DE TUDO, PERMANECERIA FIEL AOS ENCINAMENTOS DIVINOS E ADORANDO UNICAMENTE O DEUS CRIADOR DOS CÉUS E DA TERRA.
          
NA ABERTURA DO QUARTO SELO, JOÃO É CHAMADO NOVAMENTE A COMTEMPLAR A VISÃO. VEJA COMO ELA É RELATADA EM APOCALIPSE 6:8: "E OLHEI, E EIS UM CAVALO AMARELO E O SEU CAVALO,  E FOI- LHES DADA AUTORIDADE SOBRE A QUARTA PARTE DA TERRA P/ MATAR Á ESPADA,PELA FOME, COM A MORTANDADE E POR MEIO DAS FERAS DA TERRA". É AQUI QUE OS TERRORISTAS DA RELIGIÃO SE DELEITAM. É MUITO FACIL SAIR ASSUSTANDO AS PESSOAS COM A IMAGEM DE UM CAVALEIRO MONTADO SOBRE UM CAVALO AMARELO E LEVANDO DESTRUIÇÃO Á QUARTA PARTE DA TERRA. MAS JÁ  VIMOS QUE  AVISÃO DOS QUATROS CAVALOS É APENAS UMA PROFECIA QUE ANUNCIA DIFERENTES PERIODOS PELOS QUAIS A IGREJA PASSARIA NA SUA HISTÓRIA. A VISÃO DO CAVALO AMARELO SIMBOLIZA O PERIODO NO QUAL SE CONSUMOU A DEGRADAÇÃO DA IGREJA CRISTÃ. ESTA DEGRADAÇÃO TEVE INICIO NO PERIODO SIMBOLIZADO PELO CAVALO VERMELHO, ACENTUOUSE NO PERIODO SIMBOLIZADO PELO CAVALO PRETO E TORNOU-SE TERRIVEL NESTE ULTIMO PERIODO.
       A IGREJA PURA QUE JESUS ESTABELECEU E QUE OS APOSTOLOS E OS PRIMEIROS CRISTÃOS MANTIVERAM INCONTAMINADA  DURANTE O PRIMEIRO SÉCULO, FOI  SE CORROMPENDO LENTAMENTE. QUANDO CHEGARAM A IDADE MÉDIA, ENCONTRAMOS UMA IGREJA CRISTÃ DE NOME, QUE Ñ ERA NEM A SOMBRA DA IGREJA PURA QUE JESUS FUNDARA. ONDE ESTAVAM OS CRISTÃOS QUE DERAM A VIDA POR OBEDECER Á ORDEM DIVINA. "…Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a Ele darás culto"? MATEUS 4: 10  EM NOME DE DEUS, AGORA OS CRISTÃOS ESTIVERAM ADORANDO IMAGEME DE ESCULTURA DOS SANTOS APOSTOLOS. ONDE ESTAVAM OS FIEIS AQUELES QUE PAGARAM COM A VIDA A OUSADIA DE OBEDECER Á ORDEM DIVINA QUE DIZIA "… até que o céu e a terra passem, nehum i ou til jamais passará da Lei.." ? MATEUS 5: 18
      OS PRETENSOS  CRISTÃOS NAQUELE PERIODO  TINHAM MUDADO OS MANDAMENTOS DE DEUS SOB A ALEGAÇÃO DE QUE A "SANTA MÃE IGREJA" TINHA PODER P/ FAZE-LO.
      MAS ISSO Ñ FOI SUFICIENTE. A IGREJA PERSEGUIU AQUELES QUE "OUSAVAM" OBEDECER Á ESCRITURA. ISSO ACONTECEU DURANTE O PERIODO DE ABSOLUTA SUPREMACIA DA IGREJA DA IDADE MÉDIA. A HISTORIA UNIVERSAL REGISTRA TUDO. A IGREJA ESTABELECEU UM APARATO ESPANTOSO, JAMAIS VISTO ANTES, E CONHECIDO PELO NOME DE INQUISIÇÃO, PARA MATAR E DESTRUIR TODOS AQUELES QUE Ñ ACEITASSEM AS DOUTRINAS CONTAMINADAS QUE, ÁQUELA ALTURA DA HISTÓRIO, A IGREJA INCINAVA. POR ISSO, SEU NOME ERA MORTE.  
          O HISTORIADOR CATÓLICO, WALTER DURAM, ESCREVE O SEGUINTE: "com toda a tolerâcia que requer de um historiador e que se permite a um cristão, devemos colocar a inquisição entre as mais escuras manchas no registro da humanidade, pois revela uma ferocidade desconhecida até numa fera".  O MEU PROPÓSITO NÃO É DESCREVER AS MONSTRUOSIDADE EXECUTADAS PELA IGREJA NAQUELA ÉPOCA.  O QUE PRECISAMOS ENTENDER É QUE, POR TRÁS DE TUDO, HAVIA ALGUÉM QUE UM DIA LEVANTOU-SE NO CÉU E TENTOU TIRAR A SOBERANIA DIVINA; TENTOU DESVIRTUAR A PALAVRA DE DEUS E FAZER-SE, A ELE PROPRIO, O CENTRO DA ADORAÇÃO E DA OBDIENCIA NO UNIVERSO.  DERROTADO NO CÉU, LÚCIFER VEIO P/ TERRA E CONSEGUIU ENGANAR ADÃO E EVA.  JESUS VEIO A ESSA TERRA PARA RESGATAR O SER HUMANO, E ESTABELECEU A IGREJA PARA SER UMA COMUNIDADE DE PESSOAS QUE SE EDFICASEM JUNTAS, EM AMOR.  JESUS DEU SUA PALAVRA P/ SER O GUIA SUPREMO DESSA IGREJA.  ELE DIZ EM JOÃO CAPITULO 15 E VERSO 14 QUE: "VOIS SOIS MEUS AMIGOS, SE FAZEIS O QUE EU MANDO".  JESUS DISSE ISSO ANTES DE PARTIR.  E VEJA, O INIMIGO TENTOU DISTRUIR ESSA IGREJA UTILIZANDO O PODER POLITICO E MILITAR DO IMPERIO ROMANO MAS Ñ CONSEGUI.  QUANTO MAIS CRISTÃOS O IMPERADOR MATAVA, MAIS CRISTÃOS APARECIAM. O INIMIGO, ENTÃO, TENTOU DESVIAR A ADORAÇÃO DE DEUS P/ O IMPERADOR, MAS Ñ CONSEGUIU. A IGREJA MANTEVE-SE PURA NA DOUTRINA RECEBIDA DE JESUS E CONSERVOU-SE FIEL Á PALAVRA DE DIVINA.
          ( E vi que a mulher (ou igreja) estava embriagada do sangue dos santos, e do sangue das testemunhas de Jesus. Apocalipse 17:6)
               
COMO O MÉTODO DA VIOLÉCIA Ñ DEU CERTO, SATANÁS COMEÇOU A ENTRAR SUTILMENTE NA IGREJA. COMEÇOU A MISTURAR PAGANISMO COM CRISTIANISMO. A PALAVRA DE DEUS DEIXOU DE SER O CENTRO DA VIDA E DOUTRINA DA IGREJA E PASSOU A SER SUBSTITUIDA POR TRADIÇÕES HUMANAS E MANDAMENTOS DE HOMENS.
        A IGREJA ADQUIRIU PODER POLITICO E PASSOU DE PESEGUIDA, NO PRIMEIRO SÉCULO, A PERSEGUIDORA NA IDADE MÉDIA. O LIDER DA IGREJA NESSA ÉPOCA PASSOU A TOMAR P/ SI PRERROGATIVAS DIVINAS: A PERDOAR PECADOS, A CONDENAR E ABSORVER CONCIÊNCIAS, A EXIGIR ADORAÇÃO E A RECLAMAR INFALIBILIDADE.
      VOCÊ PERCEBE? O ANJO REBELDE ESTAVA CONSEGUINDO O QUE SEMPRE QUIS: TIRAR DE DEUS A ADORAÇÃO E A OBDIÊNCIA DEVIDOS UNICAMENTE A ELE  COMO CRIADOR.  
      ESTE É UM ASSUNTO DE SUMA IMPORTÂNCIA NO NOVO MILÊNIO. NÃO SE TRATA SIMPLISMENTE DE RELIGIÃO; TRATA-SE DE FIDELIDADE OU APOSTASIA; DE VIDA OU DE MORTE.   
      GRAÇAS A DEUS, AO LONGO DA HISTÓRIA SEMPRE HOUVE UM REMANECENTE FIEL. PESSOAS APARENTEMENTE INSIGUINIFICANTES QUE CONTINUARAM ADORANDO AO ÚNICO E VERDADEIRO DEUS E OBEDECENDO FIELMENTE Á SUA PALAVRA.  DURANTE A IDADE MÉDIA FORAM OS VALDENSES, ALBIGESES E OUTROS GRUPOS PEQUENOS QUE SE ESCONDIAM NAS COVAS E MONTANHAS P/ PODER OBEDECER A DEUS, SEM SOFRER A TERRERIVEL PERSEGUIÇÃO DO PODER QUE, EM "NOME DE DEUS", QUERIA OBRIGA-LOS A DESOBEDESER A PALAVRA DE DIVINA PARA OBEDECER O IMPÉRIO PAPAL OU SEJA, ADORAR SERES HUMANOS.
      E ESSE REMANESCENTE CONTINUAM EXISTINDO. É TODO AQUELE QUE TEM OS MANDAMENTOS DE DEUS E O TESTEMUNHO DE JESUS CRISTO.                                                                               
     http://www.google.com.br/search?sourceid=navclient&hl=pt-BR&ie=UTF-8&rlz=1T4ADFA_ptBRBR368BR368&q=VALDENSES                                                                                                                   Do  Pastor Alejandro  Bullón 
         1- QUER SABER O RESUMO DOS MANDAMENTOS DE DEUS? ENTÂO LEIA DEUTERONÔMIO CAPITULO 5 DO INICIO AO FIM 
 
      2- QUER SABER O RESUMO DO TESTEMUNHO DE JESUS CRISTO? ENTÃO LEIA MATEUS CAPITULO 5 DE 1 A 47.
 http://www.google.com.br/search?sourceid=navclient&aq=0&oq=ALBIGENSES&hl=pt-BR&ie=UTF-8&rlz=1T4ADFA_pt-BRBR368BR368&q=albigenses+wikipedia
             ESPERO QUE VC SE ENCAIXE NO PERFIL DIVINO POIS DISSE JESUS: "EU SOU O CAMINHO A VERDADE E A VIDA NIGUEM CHEGA AO PAI  SE Ñ POR MIN"  
                            ACREDITE, ISSO NÃO É RELIGIÃO MAIS SIM UM MANUAL DIVINO, UM CÓDIGO DE CONDUTA PARA VOCE ALCANÇAR O QUE TODOS BUSCAM AQUI NA TERRA MAIS NÃO ENCONTRAM PORQUE NÃO ESTÁ AQUI; ESTÁ EM JESUS CRISTO, O RESGATADOR DE SUA ALMA.      AMEM?????
        

Publicado 16 de maio de 2010 por mundomartins4766 em Não categorizado